É possível tratar doenças pressionando pontos de Acupuntura?

Atualizado: 7 de Dez de 2020


Existem diferentes métodos para estimular os pontos de Acupuntura, incluindo técnicas invasivas e não invasivas. O método invasivo se dá pela inserção tradicional das agulhas, que podem ser estimuladas manualmente ou através de corrente elétrica (Eletroacupuntura). Esse método pode não ser adequado para quem tem medo de agulhas – como as crianças – ou tem alguma contraindicação para seu uso (por exemplo, doenças hematológicas que aumentam o risco de sangramento). Nesses casos, o uso de técnicas não invasivas para estimular os pontos de Acupuntura pode ser bastante útil, e uma das opções é a acupressão.


Acupressão significa, literalmente, a pressão (ou massagem) nos pontos de Acupuntura. Ela tem a vantagem de poder ser executada pelos próprios pacientes, a qualquer hora e lugar. E em quais condições ela parece trazer mais benefícios? Vou listá-las a seguir.




Redução de náuseas e vômitos


A acupressão no ponto Pericárdio 6 (ou PC6) tem mostrado um efeito significativo no controle de náuseas e vômitos. Existem inclusive algumas pulseiras no mercado que prometem tratar o enjoo causado por viagens em alto mar e justamente oferecem uma pressão contínua no ponto PC6, através de um pequeno botão de plástico (como na imagem abaixo). Alguns modelos mais novos incluem um dispositivo que aplica uma corrente elétrica superficial nesse ponto.

Náuseas e vômitos são especialmente frequentes durante quimioterapia e no pós-operatório, e alguns estudos têm mostrado que o estímulo do ponto PC6 pode ajudar a controlá-los nesses casos. Esse estímulo também parece ser útil no primeiro trimestre de gravidez, outra situação em que as náuseas e os vômitos são comuns.


Para localizar o ponto PC6, encontre a linha do punho que está mais distante do cotovelo. Coloque os três dedos do meio da outra mão ao lado dessa linha, de tal forma que todos eles fiquem sobre o antebraço. Exatamente ao lado do dedo que está mais próximo do cotovelo, no meio do antebraço, está o ponto PC6 (vide fotos abaixo).




Melhora da tensão pré-menstrual (TPM)


A síndrome pré-menstrual, popularmente conhecida como tensão pré-menstrual (TPM), é um conjunto de sintomas comportamentais, psicológicos e físicos que em geral começam de cinco a 11 dias antes da menstruação. Tais sintomas são muito variáveis e podem incluir fadiga, insônia, mudanças na libido, compulsão alimentar, irritabilidade, oscilações do humor, dor de cabeça e inchaço nos seios, interferindo no dia a dia das mulheres.


Um estudo de 2017 encontrou evidência de que a acupressão nos pontos Intestino Grosso 4 (IG4) e Fígado 3 (F3) pode ajudar nos sintomas físicos e psicológicos da síndrome pré-menstrual moderada a grave. Ela também pode melhorar a qualidade de vida de mulheres com essa síndrome.


No entanto, ainda não temos estudos comparando a acupressão (ou mesmo a Acupuntura) com os tratamentos recomendados pela Sociedade Internacional para Transtornos Pré-menstruais (ISPMD, na sigla em inglês), como os antidepressivos inibidores seletivos da receptação de serotonina. Assim, ela não deve ser usada como substituto desses tratamentos.


Para localizar o ponto IG4, encoste o polegar no dedo indicador, o que irá produzir uma protuberância muscular. O ponto mais alto dessa protuberância corresponde ao ponto IG4 (vide foto abaixo). O ponto F3 é um pouco mais difícil de achar sem treinamento (se tiver dificuldade, pode pedir ajuda ao seu médico acupunturista); ele está localizado numa depressão logo antes da base do primeiro e segundo ossos do metatarso, quando se percorre o espaço entre o dedão e o segundo dedo do pé em direção ao tornozelo (vide foto abaixo). No estudo mencionado, os dois pontos foram pressionados por 14 dias antes da menstruação, durante 20 minutos por dia.




Doenças músculo-esqueléticas


Algumas vezes, os pontos-gatilho (trigger points) da dor miofascial e da fibromialgia podem ser tratados pressionando-se firmemente por 30 segundos.

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

© 2020 por Rafael Resende